A Pandemia, o antropoceno e a educação ambiental

Reflexões para um cenário de policrises

Autores

  • Gustavo Ferreira da Costa Lima Universidade Federal da Paraíba
  • Lucas Passos Tomaz Universidade Federal da Paraíba

Palavras-chave:

pandemia, antropoceno, capitalismo, gestão pública, educação ambiental

Resumo

O presente ensaio articula a relação entre a pandemia da Covid-19, a hipótese Antropoceno, o modelo de desenvolvimento da economia capitalista, a reação das políticas públicas e a Educação ambiental. Revisa a literatura das áreas envolvidas nessa reflexão e dialoga com a Ecologia política, a Educação ambiental crítica, a teoria da Complexidade e a Justiça socioambiental. Conclui que a pandemia é uma consequência do atual modelo de desenvolvimento econômico, que o governo brasileiro, por suas ações e omissões, falhou na gestão de combate à pandemia e produziu mortes evitáveis e que a Educação ambiental tem uma contribuição relevante na compreensão crítica desse processo, na formação da percepção pública do problema e na geração de informação científica de qualidade.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gustavo Ferreira da Costa Lima, Universidade Federal da Paraíba

Doutor em Ciências Sociais pela UNICAMP.Professor e pesquisador do departamento de ciências sociais e do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente - PRODEMA ambos da Universidade Federal da Paraíba - UFPB.

Lucas Passos Tomaz, Universidade Federal da Paraíba

Graduando em Engenharia Ambiental pela Universidade Federal da Paraíba  

Referências

ACSELRAD, Henry; MELLO, Cecília Campello Amaral; BEZERRA, Gustavo das Neves. O que é justiça ambiental. Rio de Janeiro: Garamond, 2009.

ALVES, José Eustáquio Diniz. O crescimento populacional dos continentes: 1950-2100. 2018. Disponível em: https://www.ecodebate.com.br/2018/07/16/o-crescimento-populacional-dos-continentes-1950-2100-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/. Acesso em: 27 mai 2021.

______________________. Concentração de CO2 na atmosfera bate recorde histórico em 2019. Disponível em: https://www.ecodebate.com.br/2020/01/13/concentracao-de-co2-na-atmosfera-bate-recorde-historico-em-2019-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/ . Acesso em: 27 mai, 2021.

ARBIX, Glauco. “Ciência e Tecnologia em um mundo de ponta-cabeça”.

Estudos avançados, São Paulo, vol. 34, n. 99, 2020.

BALÉE, W. (editor). Advances in historical ecology. New York: Columbia University Press, 1998.

BAUMAN, Zygmunt. Medo Líquido. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2008. 240 p.

BECK, Ulrich. Risk Society: Towards a New Modernity. London; New York: Sage, 1992.

__________. A metamorfose do mundo: novos conceitos para uma nova realidade. Rio de Janeiro: Zahar, 2018.

BATISTA FILHO, Marcio Borrás. Evolução do efetivo de bovinos e da produção do gado de corte no Brasil. Universidade Federal de Goiás. Curso de Graduação em Zootecnia, (TCC) 2016.

BROWN, K. Entendendo o coronavírus como uma catástrofe ecológica, 2020. Disponível em: https://www.brasil247.com/ideias/entendendo-o-coronavirus-como-uma-catastrofe-ecologica. Acesso em 08 mai. 2020.

CARVALHO, Isabel Cristina de Moura; STEIL, Carlos Alberto. “O Habitus Ecológico e a Educação da Percepção: fundamentos antropológicos para a educação ambiental”. Educação e Realidade, Porto Alegre, vol. 34, n. 3, p. 81-94, set/dez, 2009.

CRUTZEN, Paul. Josef. “Geology of mankind: the Anthropocene”. Nature, United Kingdom, v. 415, p. 23, 2002.

DESCOLA, Philippe. “Além de natureza e cultura”. Tessituras, Pelotas, v. 3, n. 1, p. 7-33, jan./jun. 2015.

FAO. World Livestock 2013: Changing disease landscapes. Rome, 2013.

FARENA, Duciran Van Marsen. Direito à Saúde, Princípio da Precaução e a Pandemia da Covid-19. In: BRANCO, Paulo Gustavo Gonet et al. (Org.). Direitos Fundamentais em Processo: Estudos em Comemoração aos 20 Anos da Escola Superior do Ministério Público da União. Brasília: ESMPU, 2020, p. 131-150.

GALLIANO, Alejandro. “Animalismo e inteligencia artificial:¿Dónde quedamos los humanos?”. Nueva Sociedad, n. 288, p. 58-68, 2020.

GIDDENS, Anthony. As conseqüências da modernidade. São Paulo: Editora UNESP, 1991.

GUIVANT, Julia Silvia. “O legado de Ulrich Beck”. Ambiente & Sociedade, São Paulo, v. XIX, n. 1, p. 229-240, jan./mar. 2016.

HARAWAY, Donna. “Antropoceno, capitaloceno, plantationoceno, chthuluceno: fazendo parentes”. ClimaCom Cultura Científica, Campinas, v. 3, n. 5, p. 139-146, 2016.

HARVEY, David. Política anticapitalista en tiempos de coronavirus. In: AMADEO, Pablo. Sopa de Wuhan: Pensamiento contemporâneo em tempos de pandemias. Argentina: ASPO, 2020.

HENRIQUES, Cláudio Maierovitch Pessanha; VASCONCELOS, Wagner. “Crises dentro da crise: respostas, incertezas e desencontros no combate à pandemia da Covid-19 no Brasil”. Estudos Avançados, São Paulo, vol. 34, n. 99, p. 25- 44, 2020.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo Brasileiro de 2000. Rio de Janeiro: IBGE, 2002.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo Brasileiro de 2010. Rio de Janeiro: IBGE, 2012.

IBGE - Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Agropecuária, Pesquisa da Pecuária Municipal. Rio de Janeiro: IBGE, 2019.

IBGE - Diretoria de Pesquisas - DPE, Coordenação de População e Indicadores Sociais – COPIS. Rio de Janeiro: IBGE, 2020.

INGOLD, Tim. The Perception of the Environment: Essays in livelihood, Dwelling and Skill. London: Routledge, 2000.

KRENAK, Ailton. Ideias para adiar o fim do mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 2019. 46 p.

LATOUR, Bruno. Jamais fomos modernos: ensaio de antropologia simétrica. Rio de Janeiro: Editora 34, 1994.

LAYRARGUES; Philippe Pomier; LIMA, Gustavo Ferreira da Costa. “As macrotendências político-pedagógicas da educação ambiental brasileira”. Ambiente & Sociedade, São Paulo, v. XVII, n. 1, p. 23-40, 2014.

LIMA, G. F. da C. “Educação ambiental crítica: do socioambientalismo às sociedades sustentáveis”. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 35, n. 1, p. 145-163, jan./abr. 2009.Disponínel em: http://www.scielo.br/pdf/ep/v35n1/a10v35n1.pdf. Acesso em: 15 mai. 2021.

LIPIETZ, Alain. A Ecologia política, solução para a crise da instância política? In: ALIMONDA, H.(org). Ecologia Política: Naturaleza, sociedade y utopia. Buenos Aires: Clacso, 2003.

MCNEIL, John Robert; ENGELKE, Peter. The great acceleration: an environmental history of the anthropocene since 1945. Massachusetts: Harvard University, 2016.

MOORE, J. W. (Ed.). Anthropocene or Capitalocene? Nature, History, and the Crisis of Capitalism: PM Press, 2016.

MORIN, Edgar. A cabeça bem-feita. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2000.

____________. A via para o futuro da humanidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2013.

____________. É hora de mudarmos de via: as lições do coronavírus. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2020.

NUNES, João. “A pandemia de COVID-19: securitização, crise neoliberal e a vulnerabilização global”. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, vol. 36, n.4, p. 1-4, 2020.

OMS (WHO) Coronavirus (COVID-19) Dashboard. 2021 Disponível em: https://covid19.who.int/table. Acesso em: 25 mai 2021.

PÁDUA, José Augusto. Vivendo no antropoceno: incertezas, riscos e oportunidades. In: Oliveira, L. A. Museu do amanhã. Rio de Janeiro: Edições de Janeiro, 2015.

____________________. “O papel do Brasil no Antropoceno 3.0”. (Entrevista) Página 22. Rio de Janeiro, FGV, Out/Nov, 2016.

PEZZULLO, Phaedra C; COX, Robert. Communicating in an Age of Ecological Crises. In: PEZZULLO, Phaedra C; COX, Robert. Environmental Communication and the Public Sphere. Thousand Oaks: SAGE Publications, 2018, p. 141-219.

ROCKSTRÖM, Johan et al. “Planetary boundaries: Exploring the safe operating space for humanity”. Ecology and Society, New Scotia, CA, v. 14, n. 2, 2009.

RODRIGUES, Paulo Henrique; SANTOS, Isabela Soares. Saúde e Proteção Social. In: RODRIGUES, Paulo Henrique; SANTOS, Isabela Soares. Saúde e Cidadania: uma visão histórica e comparada do SUS. São Paulo: Editora Atheneu, 2009. p. 5-46.

ROJAS CHAVEZ, Jose. “Un paradigma holístico y transdisciplinario para el estudio de las zoonosis: Medicina de la conservación”. Revista de la Facultad de Medicina, Colombia, 59, n. 1, 2011.

SANTOS, Boaventura de Souza. A cruel pedagogia do vírus. Coimbra, PT: EDIÇÕES ALMEDINA, S.A., 2020

SANTOS, Ronaldo Teodoro. “O neoliberalismo como linguagem política da pandemia: a Saúde Coletiva e a resposta aos impactos sociais”. Physis: Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 30, n. 2, p. 1-9, 2020b.

SCHWARCZ, Lilia. 100 dias que mudaram o mundo, 2020. Disponível em: https://www.uol.com.br/universa/reportagens-especiais/coronavirus-100-dias-que-mudaram-o-mundo/index.htm#tematico-6. Acesso em: 05 mai. 2020

SILVA, Ivandilson Miranda. “O governo Bolsonaro, a crise política e as

narrativas sobre a pandemia”. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto) Biográfica, Salvador, vol. 5, n. 16, p. 1478-1488, 2020.

SMITH, E. G. Coronavirus and the Need for a Social Ecology, 2020. Disponível em: http://social-ecology.org/wp/2020/03/coronavirus-and-the-need-for-a-social-ecology/. Acesso em 05 fev 2020.

TSING, Anna. Feral Biologies. Paper for Anthropological Visions of Sustainable Futures, University College London, February 2015.

UNITED NATIONS. Department of Economic and Social Affairs. Population Division. World Urbanization Prospects The 2018 Revision. United Nations New York, 2019.

VEIGA, J. E. Do Holoceno ao Antropoceno: as bases conceituais da mudança de época, 2019. Disponível em: https://espacoecologiconoar.com.br/do-holoceno-ao-antropoceno-as-bases-conceituais-da-mudanca-de-epoca/. Acesso em: 15 mai 2020.

VELDEN, Felipe Vander; BADIE, Marilyn Cebolla. “A relação entre natureza e cultura em sua diversidade: percepções, classificações e práticas”. Avá, Argentina, n. 19, p. 15-47, 2011.

VERBICARO, Loiane Prado. Pandemia e o colapso do neoliberalismo. Voluntas, Santa Maria, v. 11, e3, p. 1-9, jul, 2020. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/voluntas/article/view/43490 . Acesso em: Acesso em: 25 ago. 2021.

WEBER, Max. A ética protestante e o espírito do capitalismo. São Paulo: Cia das Letras, 2004.

ZAMPIERI, Gilmar. Dez lições para depois. 2020. Disponível em: < http://www.ihu.unisinos.br/78-noticias/597845-dez-licoes-para-depois>. Acesso em: 05 set. 2020.

ZANELLA, Janice Reis Ciacci. “Zoonoses emergentes e reemergentes e sua importância para saúde e produção animal”. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 51, n. 5, p. 510-519, maio 2016.

ZHOURI, Andréa; LASCHEFSKI, Klemens. Desenvolvimento e conflitos ambientais. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2010.

Downloads

Publicado

2022-05-04

Como Citar

Lima, G. F. da C., & Passos Tomaz, L. . (2022). A Pandemia, o antropoceno e a educação ambiental: Reflexões para um cenário de policrises. Ambiente &Amp; Educação, 26(2), 47–71. Recuperado de https://www.seer.furg.br/ambeduc/article/view/13348

Edição

Seção

Educação Ambiental e a Pandemia de COVID-19